SOBRE O SITE

FORMAÇÃO

DISCIPLINAS
Filosofia
Psicologia
Área de Projecto
Área de Integração

AVALIAÇÃO

FICHAS



SLIDESHOW

LIVROS DIGITAIS

OUTRAS ACTIVIDADES
Direcção de Turma
Desporto Escolar
Atelier de Fotografia

LINKS





Gémeos

1. Gémeos verdadeiros

Os gémeos verdadeiros formam-se de um único óvulo fecundado por um único espermatozóide. Em vez de se formar um embrião formam-se dois ou mais embriões. Isto acontece quando as células, formadas até oito dias depois da fecundação, se separam em dois ou mais grupos independentes, originando cada um deles um embrião completo.
Estes gémeos, tendo nascido de um mesmo ovo, possuem a mesma estrutura genétia e são, por isso, do mesmo sexo.
Um terço dos gémeos são verdadeiros.
Os gémeos verdadeiros são também chamados gémeos monozigóticos, ou univitelinos.
Se a separação acontecer depois do nono dia os embriões dificilmente sobrevivem, ou, se a separação não for completa, podem formar-se gémeos siameses, ou seja, gémeos colados por uma parte do corpo e partilhando órgãos. Nalgumas situações, dependendo dos órgãos partilhados, os gémeos podem ser separados cirurgicamente. Alguns gémeos viveram colados toda a sua vida.
O termo siamês vem da palavra «Sião», antigo nome da Tailândia, devido ao facto de dois gémeos siameses oriundos deste país se terem tornado famosos: Chang e Eng. Viveram nos Estados Unidos tendo casado com duas irmãs (não siamesas), Sallie e Adelaide.
Chang e Adelaide tiveram 10 filhos, Eng e Sallie 11.

Os vídeos ao lado mostram as duas famosas gémeas siamesas, Habby and Brittany, que estão obrigadas a viver toda a sua vida juntas pois, apesar de possuirem dois pulmões, dois fígados e dois corações, possuem em comum os intestinos, o recto, os órgãos sexuais e a caixa toráxica. Uma controla os movimentos do lado esquerdo e a outra os do lado direito, conseguindo, apesar disto, uma coordenação perfeita.

2. Gémeos falsos

Os gémeos falsos têm origem em ovos distintos, ou seja, em óvulos diferentes fecundados por diferentes espermatozóides.
Estes gémeos, não possuindo a mesma estrutura genética, são tão distintos como dois irmãos não gémeos e podem, portanto, possuir o mesmo sexo ou não.
Estes gémeos são também chamados de dizigóticos, plurizigóticos, bivitelinos ou plurivitelinos.